quarta-feira, 31 de outubro de 2012




"Nos EUA, a liberdade de expressão tende a ser considerada um direito que se sobrepõe a todos os outros e, por isso mesmo, o último a ser passível de restrição. Então, mulheres, travestis e transexuais podem ser perturbados nas ruas sem que isso seja considerado contra a lei, a não ser que fique explícita a intenção de agredir." (J. Butler).

(Entrevista de Judith Butler ao Estadão, por Ivan Marsiglia, publicada no portal PAGU. Leia na íntegra: http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/images/stories/PDF/noticias2012/deolho/estadosp21102012_politica_ambiguidade.pdf )

"Em São Petersburgo, esses grupos se mobilizam simplesmente pelo direito de se manifestar em público. Nos EUA, as organizações com mais atuação política estão dedicadas à aprovação do casamento gay. E na África do Sul lésbicas protestam contra os "estupros corretivos". De modo que fica difícil fazer qualquer tipo de generalização." (J. Butler).

Nenhum comentário: