sexta-feira, 8 de março de 2013

Violência contra mulher?

Não imagine. Isso acontece.

Midiatizada ao extremo, a violência contra a mulher é individualizada, considerada crime passional. A vítima recebe os rótulos de atriz pornográfica e modelo, o que pode servir para justificar o homicídio. O goleiro Bruno foi condenado a 22 anos de prisão pela morte da namorada Eliza Samudio, mas pode ficar apenas três anos no cárcere. Mandante e executor, ele teve ajuda de outras oito pessoas.

Bruno foi condenado a 17 anos e 6 meses em regime fechado por homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, asfixia e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima), a outros 3 anos e 3 meses em regime aberto por sequestro e cárcere privado e ainda a mais 1 ano e 6 meses por ocultação de cadáver. A pena foi aumentada porque o goleiro foi considerado o mandante do crime, e reduzida pela confissão do jogador.


A Promotoria afirma que, além de Bruno e Dayanne, mais sete pessoas participaram dos crimes. Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, amigo de Bruno, e Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do atleta, foram condenados no júri popular realizado em novembro de 2012.

No dia 22 de abril, Bola será julgado. Em 15 de maio, enfrentarão júri Elenílson Vitor da Silva, caseiro do sítio, e Wemerson Marques de Souza, amigo do goleiro. Sérgio Rosa Sales, primo de Bruno, foi morto a tiros em agosto de 2012. Outro suspeito, Flávio Caetano Araújo, que chegou a ser indiciado, foi absolvido (saiba quem são os réus).

Nenhum comentário: