quinta-feira, 13 de junho de 2013

Repressão ao movimento Passe Livre


Endossaria a declaração da Anistia Internacional sobre a repressão aos manifestantes do movimento Passe Livre (MPL) em São Paulo e no Rio de Janeiro. Há urgência na resolução dos conflitos. O Brasil vê uma militarização excessiva para com os manifestantes de várias causas populares. Infelizmente, a violência acaba inflamando os manifestantes também, que nem sempre respeitam os trabalhadores. Mas o movimento é legítimo e nacional. Tem ocorrido em todas as grandes cidades brasileiras e aqui em Porto Alegre teve desfecho parecido no último mês, com número menor de participantes e menos violência repressora. Mas ela existiu. Esses confrontos urbanos precisam terminar em negociações pacíficas, que resultem em interesses comuns para benefício da população.
 
A insistência da repressão ao movimento em São Paulo se esconde na necessidade de deixar fluir o trânsito na Av. Paulista. No entanto, a reivindicação pela melhoria do transporte público e gratuito é a principal reivindicação do MPL. Sabemos também que se trata de uma guerra de forças entre o Governo do Estado de São Paulo e o poder popular, bastante antiga. Nesse momento, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) já declarou que não pretende recuar. E a violência continua.
 
Estamos em Ancara. Estamos em Atenas. Somos a praça Tahrir (Praça da Liberdade). Pela libertação dos interesses genuinamente populares. Pelo direito de expressá-los livremente nas ruas!
segue a nota da AI:
 

13 Junho 2013
Anistia Internacional defende solução pacífica para impasse entre manifestantes e autoridades

 
Luiz Baltar
 
A Anistia Internacional vê com preocupação o aumento da violência na repressão aos protestos contra o aumento das passagens de ônibus no Rio de Janeiro e em São Paulo. Também é preocupante o discurso das autoridades sinalizando uma radicalização da repressão e a prisão de jornalistas e manifestantes, em alguns casos enquadrados no crime de formação de quadrilha.
 
O transporte público acessível é de fundamental importância para que a população possa exercer seu direito de ir e vir, tão importante quanto os demais direitos como educação, saúde, moradia, de expressão, entre outros.
 
É fundamental que o direito à manifestação e a realização de protestos pacíficos seja assegurado. A Anistia Internacional é contra a depredação do patrimônio púbico e atos violentos de ambos os lados e considera urgente o estabelecimento de um canal de diálogo entre governo e manifestantes para que se encontre uma solução pacífica para o impasse.
 
Anistia Internacional Brasil

Nenhum comentário: