segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Memória viva : a história de Borborema

Uma surpresa chegou esta noite pela tela do meu computador. A notícia, antiga para muitos, mas nova para mim, de que o livro Memória viva : a história de Borborema, da minha xará Dulce Consuelo Andreatta WHITAKER, havia sido publicado. Fato antigo, pois a publicação é de 2000 (124 pp. Editora: Gráfica Editora São Sebastião). Me abriu uma janela indiscreta ao passado, pela qual eu pretendo me atirar de cabeça, assim que puder ler a obra integralmente.

O livro foi concebido, elaborado e pesquisado no contexto do Projeto “Memória Viva”, um estudo de história oral regional, compreendendo Araraquara, São Carlos, Borborema, Nova Europa e Santa Lúcia, do qual a autora foi a coordenadora, tendo por assistentes Alexandre Dantas, Maria José Gerlach Vecchia, Sandra Alvarenga Reis e Simoni Aparecida Camargo.

Da série, esta é a primeira obra a ser publicada, ainda que as pesquisas tenham sido realizadas em 1991. Eu era apenas uma garotinha e nunca tinha visto um gravador na vida. Não tinha nem RG, para dizer a verdade. Para me registrar no grupo de entrevistadores, tive que pedir um documento às pressas no despachante local. O gravador, uma caixa pesada, com alça rígida, que incluía fita cassete, foi emprestado da diretora da escola, D. Josefina. Além de temida pela molecada da escola, era mãe da querida Priscila Hortensi, minha companheira na aventura e uma das integrantes do grupo de jovens que, como eu, pediam licença para tomar um café com leite na casa dos velhinhos da cidade e ouvir histórias da carochinha, portando a geringonça pesada. Era chegar, sorrir e perguntar, e os bastiões, decanos, se abriam inteiramente para a fita magnética. Acho que esse foi o meu primeiro ofício jornalístico.


Voltando ao livro: como método de trabalho, a autora adotou a corrente da historiografia Nova História e baseou-se em memórias pessoais, que oscilam dos anos 50/60 para os anos 10/20. No trabalho de campo e coleta de testemunhos de pessoas antigas e conhecedoras da história da cidade, houve a decisiva contribuição dos entrevistadores Adauto Lopes, Alessandra Regina Colette, Cíntia Lara Barbosa, Dulce Helena Mazer (eu), Priscila Hortense, Rodrigo Barbosa, Rosana Rossi de Oliveira e Taís Cristiane Simões, todos alunos da EEPSG "Dom Gastão Liberal Pinto", supervisionados pelos monitores Luiz Antonio de Souza, Luiz Henrique Rossi e Maurício de Marins Rodrigues. No livro, os depoimentos das pessoas entrevistadas reconstituem a história da cidade.

Sobre a evolução histórica, sócio-econômica e político-administrativa de Borborema foram entrevistados Arlindo Alves Mourão, Emílio Viu Serrano, Luiz Torres, Miguel Di Bacchi, Dr. Pedro Luiz Bocca, Rosina Caricari Inaco, Saul Leme e Wilson Silveira Bueno, certamente já falecidos.

A Autora Dulce Consuelo Andreatta Whitaker nasceu em Curitiba-PR, em 1.934. Possui graduação em Ciências Sociais, em Presidente Prudente, onde residia, pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1967), mestrado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1979) e doutorado em Sociologia da Educação pela Universidade de São Paulo (1984).

Em 1985/86, fez pós-doutorado na Universidade de Oxford ( Inglaterra) Atualmente é professora voluntária e colaboradora, atuando na pós graduação do Campus de Araraquara, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. É co-editora da revista Retratos de Assentamentos, do Núcleo de Pesquisa e Documentação Rural (NUPEDOR). Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia Rural, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, cultura, metodologia, assentamento rural e sociologia rural.

Nenhum comentário: