terça-feira, 1 de julho de 2014

Amores (im)possíveis de Isabel Allende


Publicado originalmente em novembro de 2013 no Portal Leiturinhas: http://arquivoleiturinhas.blogspot.com.br/2013/12/novembro-artigos.html


Acaba de chegar às livrarias gaúchas a primeira edição de bolso do livro Amor, de Isabel Allende, que em breve poderá ser encontrado em todo o país. Lançado pela editora Debolsillo (2013, 235p.), o livro preserva a riqueza linguística dos textos construídos para obras como: La isla bajo el mar e Hija de la fortuna. #Amor reúne contos compilados pela autora, narrativas envolventes e um toque de erotismo sobre a descoberta de amores possíveis e outros nunca concretizados, em diferentes lugares e fases da vida.

Allende trata de questões femininas, com a audácia da autoria feminista. Desde menina, a autora defende o movimento feminista, "antes mesmo que o termo chegasse ao Chile". Para ela, a escrita serviu para "despejar as dúvidas e as sombras da existência e para aprender a conhecer melhor a própria alma".

O livro vai além de expectativas mundanas e da decifrável descrição sobre o que seria o amor na visão da autora. Allende provoca os leitores e as perspectivas mais previsíveis com minúcias sobre desejos realizados, interesses reprimidos, anedotas românticas e relacionamentos rocambolescos.

A autora complementa a beleza das histórias com comentários cheios de humor desde as primeiras páginas, intercalando-os entre os contos. A primeira publicação, em tamanho convencional, celebrou o aniversário de 70 anos de Allende, completados em 2 de agosto de 2012 e vividos sob o mais pragmático feminismo. Antes da edição de bolso, o livro havia sido publicado em português pela editora Bertrand Brasil, e espanhol, pela editora argentina Plaza & Janés.

Para leitores latino-americanos

Sem apelar para um preciosismo, a obra pode ser lida por iniciantes no idioma espanhol. É na aproximação dessa língua com a nossa que reside a delícia de se compreender expressões como: Me escapé del colégio para bailar con los yanquis, que aqui chamamos 'gringos'. Os nativos hispano-americanos ou amantes do castelhano podem por fim mergulhar nas detalhadas descrições de um primeiro beijo, enquanto o termo do inglês yankee lá designa os antigos habitantes da Nova Inglaterra e aqui, do ladinho, o relacionamento apaixonado entre o povo chileno e os 'imigrantes' norte-americanos.

Trabalhando desde os 17 anos como escritora e jornalista, Allende escreve sobre o amor, a paixão, delineando com maturidade o erotismo de um ponto de vista feminino. De nacionalidade chilena, Isabel Allende é autora de romances, contos, memórias e teatro. É conhecida internacionalmente por "A casa dos espíritos" (Editorial Sudamericana, 1982), romance que inaugurou uma brilhante trajetória literária, pelo qual recebeu o Prêmio Nacional de Literatura do Chile, em 2010.

Nascida na década de 1940, a autora conseguiu, ao longo de sua trajetória literária e política, posicionar-se como mulher narradora do cotidiano, coroando a longa carreira com esses contos de amor e sexo. “As coisas mais importantes de minha vida se passaram nas câmaras secretas do meu coração e não pertencem a uma biografia”, revela. “Quando eu era jovem, sentia-me desesperada: tanta dor no mundo e tão pouco eu podia fazer para aliviá-la! Mas agora penso sobre minha vida e me sinto satisfeita, porque poucos dias se passaram, sem que ao menos eu tentasse mudar as coisas”, complementa.

$$$: preço médio de R$29 – edição de bolso.

Nenhum comentário: